Estamos vivenciando um tempo desafiador, sejam para os empregados, empregadores e administradores públicos. Quais as decisões empresariais e governamentais em tempos de CORONAVÍRUS?

Para os empregados, determinadas atividades vão permitir o chamado “Home Office”, tele trabalho ou trabalho domiciliar à distância. Os empregadores deverão acordar com seus empregados o formato de trabalho, disponibilizar meios tecnológicos e equipamentos (caso necessário) para a correta atuação e o bom senso envolvendo disciplina e entrega dos resultados esperados. Utilização de canais como: e-mails, whatsapp e ferramentas on line de comunicação.

A troca de reuniões presenciais por videoconferências permitem um amplo atendimento e sem limite de fronteiras. Compartilhamento de informações via drive e novo formato de treinamentos. O mundo pós-coronavírus trará com certeza novas ideias e serviços.

O profissional de TI ou empresas de informática terão papel preponderante para que o acesso remoto a sistemas de gestão funcionem adequadamente, além da segurança quanto às informações dos clientes, acessos aos e-mails e redes compartilhadas de dados. Lembrando que a nova LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) está a caminho e o momento poderá servir de um teste para sua correta execução.

Para o empregado, a palavra de ordem é disciplina e adaptação. Muitos profissionais já estão acostumados com este formato de trabalho, mas outros terão que experimentar pela primeira vez a convivência de trabalho e lazer muito próximos, família e responsabilidades de trabalho em uma linha muito tênue. Poder separar um espaço de sua casa para o trabalho e determinar horários poderá auxiliar nas tarefas.

Para profissionais que não podem atuar a distância porque executam atividades profissionais inerentes ao ambiente de trabalho como comércios e indústrias, este tempo de distância deverá ser encarado como um momento de reavaliação de suas habilidades, de estudo e melhor preparação. Se engajar em novas iniciativas para que tragam melhorias e novas soluções as empresas que trabalham, poderá ser um diferencial. Os empregadores poderão antecipar férias coletivas ou até mesmo reduzir jornadas (já amparado por determinação governamental).

Para os empregadores, também, momento de avaliar suas empresas, analisar de fora para dentro suas capacidades, gestão administrativo-financeira, avaliação de sua carteira de clientes e atuação no mercado.

A boa gestão fica ainda mais visível em momentos de dificuldade. Tenha sempre o apoio de profissionais e empresas parceiras para auxiliar no dia a dia.

Para o Governo, cuidar ainda mais da saúde de sua população e manter as estruturas de base econômica estáveis, atenuando o desemprego que poderá vir e falência de empresas. A projeção do PIB este ano será reduzida de 2,5% para 0,5%, o que traduz em um período de recessão adiante. Estimular as atividades e produção será determinante.

Seguem alguns decretos e resoluções que visam auxiliar os empresários, publicados esta semana:

Resolução n° 152, de 18 de Março de 2020:

Prorrogação de pagamento do Simples Nacional:

“I – o Período de Apuração Março de 2020, com vencimento original em 20 de abril de 2020, fica com vencimento para 20 de outubro de 2020;
II – o Período de Apuração Abril de 2020, com vencimento original em 20 de maio de 2020, fica com vencimento para 20 de novembro de 2020;
e III- o Período de Apuração Maio de 2020, com vencimento original em 22 de junho de 2020, fica com vencimento para 21 de dezembro de 2020.”

http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=603&pagina=1&data=18/03/2020&totalArquivos=1

Portaria n° 103, de 17 de Março de 2020:

“Esta Portaria dispõe sobre medidas relacionadas aos atos de cobrança da dívida ativa da União, incluindo suspensão, prorrogação e diferimento, em decorrência da pandemia declarada pela Organização Mundial da Saúde relacionada ao coronavírus (COVID-19).”

http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-103-de-17-de-marco-de-2020-248644107

Resolução n° 850, de 18 de Março de 2020

“I – FINALIDADE: apoio financeiro, mediante abertura de crédito, para atender necessidades básicas de capital de giro visando a manutenção dos negócios e a geração/manutenção de empregos;

II – PÚBLICO ALVO: pessoas jurídicas com faturamento bruto anual de até R$ 10 milhões (dez milhões de reais).”

http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-850-de-18-de-marco-de-2020-248806976

Decreto n° 10.278, de 18 de Março de 2020

Dispõe sobre aceitação de documentos digitalizados desde que obedeçam a norma PFD/A e sejam assinados digitalmente para comprovar veracidade e autenticidade.

http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/decreto-n-10.278-de-18-de-marco-de-2020-248810105

Que sejamos fortes e unidos neste momento desafiador!

O mundo sempre vivenciou crises e em seguida ótimas oportunidades.

Conte com a equipe da AD3 Contabilidade!

error: Conteúdo protegido!
Powered by